Síndrome do Bebê Sacudido

Publicado: 02/05/2019

Cuidados com nossos pequenos.

A Síndrome do Bebê Sacudido pode ocorrer quando adultos fazem movimentos bruscos em crianças menores de 2 anos de idade, como balançá-las para frente e para trás com força e sem apoiar a cabeça ou fazer brincadeiras que envolvem jogar a criança para o alto. Podem alterar a coluna com traumas na região cervical do bebê e causar sangramentos , tanto hemorragias retinianas (nos olhos), quanto cerebrais.

O bebê pequeno tem a cabeça maior que o corpo, com o pescoço mole, sem uma musculatura bem desenvolvida . Por causa dos movimentos bruscos, de extrema aceleração e desaceleração, podem ocorrer lesões cerebrais. 

As sequelas podem ser transitórias ou definitivas. Muitas crianças podem ter retardo de desenvolvimento neuropsicomotor, surdez e até lesões oftalmológicas sem que o diagnóstico seja relacionado às sacudidas bruscas. Em 30% dos casos, o bebê pode morrer.

Apesar de uma pequena parte dos casos ter como causa brincadeiras inadequadas sem intenção de agressão feita por pessoas próximas ao bebê, a maior parte dos casos são causados pelos próprios pais ou babas em episódios de irritação com o choro incessante do bebê, que atravessam a linha tênue entre ninar e sacudir mesmo que por alguns segundos.

Além disso, é importante lembrar que os sintomas não costumam surgir logo após a sacudida brusca na criança, mas aparecem algumas horas ou dias após a agressão.

É preciso estar atento aos sinais de alterações no comportamento que o bebê dá e levá-lo ao médico caso apareça algum sintoma da Síndrome do Bebê Sacudido, para fazer exames complementares como exames de sangue, raio-X ou tomografia, que verificam se existem alterações no cérebro.

Além disso, deve-se observar se a criança tem medo de algum parente ou cuidador, que pode ser a fonte dos maus tratos ou brincadeiras abusivas. Assim, é preciso estar atento a sinais como irritação, choro constante, sonolência, vômitos e presença de hematomas no corpo do bebê.

Em caso de dúvida procure sempre um Pediatra 📌


Dr. Carol

Voltar